TV aberta, é bom lembrar, é uma concessão de um serviço público, que opera a partir de decisão do Congresso Nacional e sob regulação do Ministério das Comunicações. Na prática, contudo, é uma terra de ninguém, sem nenhum tipo de regulação, onde cada um faz o que quer, sem ter que prestar contas a qualquer autoridade.

Mas, a situação pode ter chegado ao limite quando ontem, 07 de janeiro, a TV Cidade, de Fortaleza, afiliada da Rede Record, exibiu as cenas de estupro de uma menina de 9 anos, gravadas acidentalmente pela mãe. Há momentos, inclusive, em que é possível ver o rosto da menina!

Até onde é possível chegar a exploração do ser humano em busca de audiência? Até quando o Ministério das Comunicações fará cara de paisagem, fingindo que não tem a obrigação de regular uma concessão pública? Até quando a sociedade tolerará este tipo de crime?

Vale lembrar que a TV Cidade é de propriedade de Miguel Dias, presidente do PRB no Ceará, partido controlado pela Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) e integrante da base do governo Lula.