O lucro líquido da Globo em 2012 (R$ 2,948 bilhões) é o sexto maior do Brasil entre empresas não financeiras. Ele só fica atrás da Petrobras, Vale, Telefônica/Vivo, Ambev e Cemig, por ordem. Se forem consideradas apenas as sociedades anônimas de capital fechado (cujas ações não são vendidas na Bolsa de Valores), o lucro líquido da Globo é o maior do país.

Já a margem líquida da Globo (indicador que mede o percentual de lucro líquido que a empresa obteve perante seu faturamento) é a sétima maior do Brasil, atrás de Redecard, Cielo, Samarco, CBMM, Ambev e Tractebel, por ordem. Dessas, duas são empresas controladas por bancos (Redecard e Cielo), sendo uma delas de capital aberto (Cielo). Tractebel e Ambev também são empresas de capital aberto, enquanto a Samarco é controlada por duas gigantes mundiais de mineração, Vale e BHP Billinton. Apenas CBMM e Globo são empresas de capital fechado e controle unifamiliar. Mas, a receita líquida da Globo é mais de três vezes superior à da CBMM.

Trata-se, muito provavelmente, da maior empresa de controle unifamiliar do Brasil. E um desafio gigantesco para a consolidação de nossa democracia.