Quanto vale uma operadora de TV paga que está com dificuldades para expandir e modernizar sua rede e que possui uma dívida tão grande com um dos fornecedores que quase a levou a leilão por duas vezes?

E se o Congresso Nacional aprova uma lei que obriga seu dono (um radiodifusor) a ter que se desfazer de pelo menos 50% do capital dela (caput do artigo 5° da Lei 12.485/2011)?

Esse é o caso da operadora de TV paga SIM TV, cujo dono é a Bandeirantes.

A NET vem aí

Mas, a situação pode ficar ainda pior. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) publicou hoje a conversão das outorgas da NET-Embratel para o novo Serviço de Acesso Condicionado. Foram convertidas a licença da Embratel para TV paga via satélite (Claro TV), três outorgas para TV por micro-ondas que deverão deixar de operar no ano que vem para dar lugar à telefonia celular 4G (Curitiba, Porto Alegre e Recife) e as 92 licenças de TV a cabo.

Com isso, a NET fica legalmente livre para solicitar novas licenças de TV paga. Segundo a Teletime (veja aqui), a NET já tem rede de cabos (HFC) pronta em pelo menos 45 cidades para entrar em operação imediatamente com o serviço de TV paga.

Pois, das 14 cidades onde a SIM TV opera, nada menos que oito estão na relação das cidades onde a NET deve começar a operar: Cuiabá, Joabotão dos Guararapes, Niterói, Olinda, Paulista, Recife, Salvador e Várzea Grande.

Como a NET pretende expandir sua rede para mais umas 50 outras cidades em 2013, não se deve descartar a possibilidade de que as outras seis cidades onde opera a SIM TV também venham a sentir em breve o peso da concorrência da NET. São elas: Aracaju, Feira de Santana, Gravataí, Juiz de Fora, São Gonçalo, Volta Redonda.

Vai ser difícil arranjar um comprador (e um bom preço) nessas condições.